THC permanecerá na lista de substâncias proibidas para antidoping até 2023

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Imagem: Pexels Pixabay)

Por Redação Sechat

A cannabis segue como  substância proibida pela Agência Mundial Antidoping em 2023 e nada mudará em relação ao seu uso no esporte. Uma decisão tomada após seu status ter sido estudado por um ano a pedido de algumas agências antidoping, como os holandeses, que pediram sua exclusão, ou os americanos, que queriam uma mudança na regulamentação.

O debate aumentou depois que a velocista americana Sha’Carri Richardson foi excluída das Olimpíadas de Tóquio após testar positivo para maconha nas provas que venceu e das quais foi desclassificada. O caso de Richardson não foi o único no atletismo nos últimos anos, desde que o saltador com vara americano Cole Walsh foi punido por seis meses em 2020 após ingerir, segundo sua versão, uma barra de chocolate com THC que o ajudou a dormir em um avião para a Alemanha.

Depois que especialistas em farmacologia e toxicologia – representados por um grupo de profissionais de medicina esportiva de nove países – debateram a questão, eles decidiram que a cannabis deveria continuar na lista de substâncias de abuso como cocaína, heroína ou ecstasy.

(Imagem: Sha’Carri Richardson/Divulgação)

E deram três motivos: tem potencial para melhorar o rendimento desportivo , representa um risco para a saúde do atleta e viola o espírito desportivo . De acordo com o código antidoping, basta atender a dois desses requisitos para fazer parte da lista. “A WADA (Agência Mundial Antidoping) está ciente da diversidade de opiniões e percepções sobre essa substância em todo o mundo e que os apelos para remover o THC da lista não são apoiados pelos especialistas, além das leis de muitos países apoiarem mantê-lo, mas continuaremos investigando nessa área”, explica o diretor geral da organização, Olivier Niggli.

O que mudou em Tóquio?

Em 2018, o canabidiol (CBD) foi retirado da lista de substâncias proibidas, o que permitia que os atletas consumissem o componente não psicoativo da cannabis, de modo que a legislação referente à maconha no esporte foi significativamente flexibilizada nos últimos anos .

Além disso, em sua publicação da lista de substâncias proibidas para o próximo ano, a AMA alerta que incluirá o tramadol, um analgésico opióide, até 2024.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese