Nova lei de Cannabis de Illinois faz com quem oferta seja escassa para pacientes médicos

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Traduzido do site CU-Citizen Acess

Falhas no projeto de lei da legislatura do estado de Illinois (EUA) para legalizar a maconha para uso adulto causaram escassez em todo o estado do produto, particularmente para os quase 100.000 pacientes registrados de Cannabis medicinal, de acordo com uma revisão de documentos estaduais e entrevistas com os agentes da indústria.

De fato, desde que o programa de Cannabis medicinal foi lançado em Illinois, em 2014, as reclamações registradas por pacientes médicos contra dispensários no estado aumentaram, já que 102 de todas as 267 reclamações foram registradas apenas em 2020 . 

David Kurfman é um paciente de Cannabis registrado em Illinois, Mount Sterling, que usa a planta para tratar sua epilepsia desde 2015. Ele acredita que o estado não fez o suficiente para proteger seus pacientes de Cannabis medicinal durante um período em que há uma demanda maior do que a oferta pode atender adequadamente.

“Tem sido sombrio para pacientes, que não conseguem encontrar consistentemente os produtos específicos que precisam para suas várias condições”, disse Kurfman. 

A nova lei, aprovada pelo legislativo em maio de 2019, entrou em vigor em 1º de janeiro de 2020.

O estado não tinha um suprimento adequado de maconha legal – que não pode ser importada de outros estados de acordo com a lei federal – para atender a alta demanda do uso adulto, disseram analistas do setor e especialistas empregados na indústria de maconha de Illinois.

Andy Seeger, gerente de pesquisa de maconha do Brightfield Group, localizado em Chicago, acredita que o estado poderia ter feito um trabalho muito melhor para se preparar para a lei entrar em vigor e para impedir a atual escassez de suprimentos que está afetando a capacidade dos pacientes de ter acesso conveniente aos produtos de que precisam. 

“Outros estados permitiram o cultivo antes da abertura como período de carência, quando as empresas podiam crescer sem licença enquanto aguardavam a revisão, permitindo mais produtos no primeiro dia. Illinois não”, disse Seeger.

Em maio de 2019, Illinois se tornou o primeiro estado do país a permitir o uso adulto da Cannabis através do processo legislativo, em vez de uma iniciativa de votação. 

“O estado viu que a maneira mais rápida de abrir vendas era expandir o mercado médico atual, que, anteriormente, era altamente restritivo”, disse Seeger. “Ao restringir o mercado apenas aqueles envolvidos clinicamente, o estado restringiu fortemente o mercado em termos de produto e consolidou-se fortemente em termos de participação de mercado.”

Seeger acredita que a abordagem falha do estado é demonstrada pelo declínio inicial nas vendas de Cannabis. As vendas caíram para US$ 34,8 milhões em fevereiro, após US$ 39,2 milhões em janeiro, antes de se recuperar em março, segundo o site IDFPR . 

De acordo com o Brightfield Group, os estados que legalizam a Cannabis de uso adulto, geralmente, veem as receitas aumentarem constantemente à medida que mais licenças dos produtores são concedidas, mas Illinois é diferente devido aos limites de licenciamento da legislação. 

“O estado, no entanto, parece feliz com os números de impostos e a alta demanda”, disse Seeger.

O estado arrecadou quase US$ 8,5 milhões em receita tributária de Cannabis em março e US$ 11,5 milhões em receita tributária de Cannabis para uso adulto em abril, segundo o banco de dados do Departamento de Receita de Illinois . 

Impulso para priorizar pacientes médicos

O Departamento de Regulamentação Profissional e Financeira de Illinois tentou aliviar a carga de pacientes médicos enviando uma carta a todos os 41 dispensários que atendem a clientes médicos e de lazer, pedindo-lhes que priorizassem pacientes médicos durante a falta de suprimentos. 

O departamento declara que a nova lei não fornece orientação específica sobre como os dispensários devem priorizar pacientes médicos durante uma possível escassez de produto, mas fornece sua própria visão sobre como os dispensários devem fazê-lo. 

O departamento também emitiu um aviso aos dispensários, permitindo que permanecessem abertos até as 22h, que é o horário de encerramento das vendas para uso adulto e das vendas médicas, que antes era limitado até às 20h. O aviso também inclui um link para pacientes com Cannabis medicinal apresentarem queixas ao departamento se sentirem que suas necessidades não estão sendo atendidas. 

Sunnyside e NuMed são os dois dispensários na área de Champaign-Urbana. Sunnyside se recusou a comentar quando contatado, e a NuMed não respondeu a uma solicitação para falar sobre o assunto. 

Um dos principais objetivos de Illinois na introdução do mercado de Cannabis medicinal no estado em 2014 foi oferecer aos pacientes que tomavam opioides uma alternativa confiável e segura, mas o estado inadvertidamente prejudicou o mercado com a nova lei. 

“O Estado tem a responsabilidade de manter o mercado médico que estabeleceu. Atualmente, parece incapaz de lidar com as tarefas de uso médico e de adultos da noite para o dia”, disse Seeger. 

“As margens são muito reduzidas e os preços continuam altos devido à baixa oferta. As plantas legais para chegar ao mercado em em 1º de janeiro levariam aproximadamente 14 a 18 semanas, mas é provável que a baixa oferta se mantenha no futuro próximo, mesmo no Outono e talvez até no próximo ano.” 

Pacientes médicos infelizes

Mesmo com a tentativa do estado de resolver os problemas dos pacientes médicos que resultaram da nova lei sobre a maconha, muitos pacientes médicos não estão satisfeitos com os resultados. Durante um período de escassez de produtos, os pacientes medicados com maconha são colocados em uma situação difícil de ter que cultivar seu próprio medicamento, o que pode levar muito tempo e cuidados. 

A lei estadual permite que pacientes registrados com Cannabis medicinal cultivem até cinco plantas de Cannabis em suas próprias casas. A Sterling decidiu tirar proveito desta disposição da lei. Ter um suprimento médico consistente em casa pode ajudar a aliviar a necessidade de os pacientes confiarem em dispensários que têm consistentemente pouco suprimento.

Kurfman conseguiu fazer a transição de pílulas para óleos de Cannabis para prevenir convulsões, mas a escassez em todo o estado colocou sua capacidade de confiar consistentemente nos óleos especiais que funcionam melhor para a epilepsia em risco. 

Como o cultivo de Cannabis para uso médico requer as melhores colheitas, os pacientes médicos enfrentam esse desafio quando decidem cultivar seu próprio medicamento. Kurfman recorreu a dois mentores para orientação durante o processo de cultivo de medicamentos da mais alta qualidade. 

“Eu preciso ter acesso aos remédios que sei que preciso para evitar convulsões sem ter que encontrar e viajar muito para um dispensário que tenha o que eu preciso”, disse Kurfman. “A falta de vendas para uso adulto levou ao fornecimento inconsistente dos melhores produtos.”

Kurfman também é um defensor de uma proposta de emenda à Lei do Uso Compassivo de Cannabis Medicinal, que ajudaria a aliviar a situação atual que os pacientes médicos enfrentam com a escassez de produto. A emenda SB2295 exigiria que o Departamento de Agricultura de Illinois registrasse exatamente as 22 licenças de centro de cultivo permitidas por lei e não qualquer quantia até esse limite. 

“A lei da maconha medicinal exige que o estado emita 22 licenças para instalações de cultivo. Essa licença foi solicitada, mas o estado não a concedeu ”, disse Kurfman. “A empresa que solicitou a última licença de cultivo já tem uma instalação pronta para funcionar.”

Se uma nova instalação de cultivo precisar ser construída, poderá demorar mais de um ano para se tornar licenciada. Kurfman também se encontrou com dois políticos em Springfield, que foram os principais defensores da legalização da Cannabis para uso adulto, e eles não expressaram apoio à emenda SB2295 para ajudar a obter mais produtos disponíveis para pacientes médicos. 

Licenças de cultivadores de uso adulto a serem emitidas 

O projeto atual de Cannabis prevê que 75 licenças de cultivador de uso adulto sejam emitidas até 1º de julho de 2020, além das atualmente 47 licenças de cultivador de uso registrados. No entanto, isso pode não ser suficiente para ajudar o suprimento a atender à demanda atual no grande estado. 

Em comparação, os estados menores não tiveram problemas em apoiar seus mercados médico e de uso adulto, porque têm centenas de produtores de Cannabis licenciados. Nevada, que tem cerca de um quarto do tamanho de Illinois, tem mais de 130 produtores licenciados. O Colorado tem quase 700 produtores licenciados, mesmo com menos da metade da população do estado de Illinois. De acordo com a New Frontier Data, uma empresa independente de análise de dados especializada no setor de Cannabis, Illinois pode ver a escassez de Cannabis continuar pelos próximos dois anos. 

Brandon Nemec, porta-voz da cadeia farmacêutica PharmaCann, explicou alguns dos efeitos que a escassez de maconha no Illinois teve sobre seus negócios no estado. 

“Como esperado, ao entrar no primeiro ano de vendas de maconha para adultos em Illinois, a demanda tem sido extremamente alta, principalmente para flores de maconha”, disse Nemec. “Agora, no segundo trimestre de vendas, a PharmaCann tomou várias medidas para atender ao maior número possível de clientes adultos, incluindo maximizar a produção e trabalhar em estreita colaboração com fornecedores de Illinois de terceiros.” 

Nesse caso, é o programa recreativo que está tendo o maior impacto na escassez de fornecimento. Em tempos de escassez, os pacientes médicos devem ter prioridade em termos de disponibilidade do produto, e é isso que a PharmaCann teve que fazer.

“Em alguns casos, tivemos que estabelecer limites para a compra de flores de uso adulto com base no estoque diário e no fornecimento futuro de um dispensário específico, e essas limitações podem mudar semana a semana, dependendo dos padrões de compra”, disse Nemec. “Enquanto trabalhamos diligentemente para acompanhar a demanda de uso adulto, sempre mantemos uma reserva prioritária para nossos pacientes com Cannabis medicinal e, até o momento, não impusemos limites aos produtos para pacientes médicos.”

Como um negócio essencial durante a pandemia de Covid-19, a PharmaCann tem levado a sério essa designação, pois tomou medidas de segurança preventivas para proteger a saúde pública que contribuíram para um declínio recente nas vendas. No entanto, a cadeia de dispensários não desistiu de expandir sua produção para atender a demanda de pacientes médicos e de lazer no estado. 

Covid-19 retarda operações da indústria de Cannabis

A pandemia do Covid-19 suspendeu inesperadamente as operações diárias normais da indústria de Cannabis em Illinois. Em 16 de março, cinco dias após a Organização Mundial da Saúde declarar oficialmente o surto de coronavírus como uma pandemia, o Departamento de Regulamentação Financeira e Profissional de Illinois emitiu um aviso aos dispensários e pacientes médicos sobre o plano do estado de lidar com a a situação. 

A primeira grande mudança descreve o plano do estado de permitir temporariamente uma variação temporária da Lei do Programa de Uso Compassivo de Cannabis Medicinal. Agora, o estado está permitindo que pacientes médicos comprem produtos de maconha de um dispensário sem precisar estar dentro da loja, conforme a lei exige. A venda ainda deve ocorrer na propriedade ou nas proximidades do dispensário, pois a maconha ainda não é legal para entrega no estado. 

Isso permite que pacientes e dispensários pratiquem as diretrizes de distanciamento social recomendadas pelo CDC. A declaração indica que essa variação temporária não se aplica a clientes recreativos. 

O departamento também está pedindo que os dispensários reforcem o distanciamento social dentro de suas lojas, de acordo com as diretrizes do CDC, a uma distância de 2 metros recomendada entre os clientes. Isso significa que um dispensário deve intervir quando um grupo de pessoas está muito próximo um do outro. O objetivo é limitar o tempo de contato humano o máximo possível. 

As práticas sanitárias também estão sendo ordenadas, já que o departamento informou os dispensários de que eles devem estar completamente engajados nas práticas de saneamento. Os funcionários devem lavar as mãos com frequência e higienizar as superfícies com as quais os clientes entram em contato a cada 30 minutos. 

O departamento monitora o cumprimento dessas diretrizes através do uso de observação da câmera. Os inspetores devem entrar em contato com os dispensários que não estão em conformidade. 

Além disso, os solicitantes de cartões médicos não precisam mais agendar uma consulta para um exame pessoal com um médico para receber a certificação pelo uso de Cannabis medicinal. Em vez disso, o estado está permitindo a telemedicina, que permite aos médicos diagnosticar condições remotamente por meio de telecomunicações. 

Em 29 de abril, o departamento emitiu um comunicado à imprensa em resposta à pandemia, indicando uma ordem executiva que atrasa a emissão de novas licenças de venda recreativa de Cannabis. O departamento estava programado para emitir até 75 novas licenças recreativas até 1º de maio, e uma nova data não foi anunciada. 

Esse é outro revés para o mercado legal de Cannabis do estado, pois ele já estava lidando com uma grave escassez de produtos legais cultivados pelo Estado antes do início da pandemia. 

O conselheiro sênior da governadora Pritzker para Controle de Cannabis, Toi Hutchinson, disse que entende a decepção que isso causa aos empreendedores que estavam entusiasmados em ingressar no setor. 

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese