Na Colômbia, agricultor familiar poderá trocar a rosa pela flor da Cannabis

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Primeira empresa a ter licença para cultivar e produzir Cannabis medicinal na Colômbia, a PharmaCielo conseguiu aprovar um projeto social que fará a diferença no país. Trata-se da transformação de floristas em cultivadores de cânhamo.

O objetivo é integrar agricultores familiares à produção de grandes empresas. “A técnica é muito parecida”, diz Frederico Cock, fundador da PharmaCielo, estabelecida no país há seis anos. O DNA da empresa vem das flores. Antes ela produzia e exportava rosas e cravos, entre outras espécies, para o mundo.

Cock tem 35 anos de experiência com flores, plantas e extratos medicinais. Desta proximidade veio a ideia de explorar o mundo da Cannabis com ajuda de um parceiro do Canadá. Mas pelo clima mais adequado à cultura e o custo de cultivo mais barato, escolheu a Colômbia para ser o polo produtor. Vale lembrar que a produção do óleo do cânhamo vem das flores da planta.

O país tem 8 mil hectares de flores– é o segundo exportador do produto no mundo, perdendo apenas para a Holanda. Os cultivadores de Cannabis aproveitaram muito desse conhecimento para tocarem os campos.

Portanto, o projeto é bom para as duas partes. A indústria ganha trabalhadores mais qualificados e os agricultores conseguem entrar em um mercado global, que ainda tem muito a crescer. “O projeto ainda está no começo”, diz Cock. ” É um processo que exige várias licenças e é muito fiscalizado.”

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese