Hoje (15) é o último dia da consulta pública sobre o primeiro CBD no SUS

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Atualmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está avaliando sete pedidos para autorização de produção e comercialização no Brasil de produtos medicinais, produzidos à base de maconha (Foto: Montagem/Divulgação)

Charles Vilela / Sechat Conteúdo

Nesta segunda-feira (15) é o prazo final da consulta pública sobre a incorporação do primeiro produto à base de Canabidiol (CDB) – um dos compostos medicinais mais conhecidos da maconha – no Sistema Único de Saúde (SUS). Para participar, acesse aqui o formulário.

A decisão de realizar a consulta pública sobre o tema foi tomada pela Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS) em sua 94ª reunião, realizada nos dias 3 e 4 de fevereiro. Na oportunidade, contrariando as expectativas do Ministério da Saúde, o parecer inicial da comissão foi desfavorável à incorporação. Na 96ª reunião da comissão, que deverá ocorrer nos dias 7 e 8 de abril, as contribuições recebidas serão analisadas, organizadas e enviadas ao plenário para a decisão final.

>>> Siga o Sechat no INSTAGRAM

O produto que o Ministério da Saúde deseja incorporar ao SUS é o “canabidiol 200mg/ml para o tratamento de crianças e adolescentes com epilepsia refratária a medicamentos antiepiléptico”, que é fabricado pela empresa paranaense Prati-Donaduzzi. O custo do produto praticado no mercado é, em média, de R$ 2.350. Trata-se do primeiro do país feito à base de maconha a receber esse tipo de liberação a partir do regramento da RDC 327 que foi aprovada em dezembro de 2019 e entrou em vigor em março de 2020.

Se for aprovada a incorporação, Ministério projeta investir até R$ 416 milhões na compra do produto da Prati-Donaduzzi

O Ministério da Saúde estima investir até R$ 416,4 milhões na compra do Canabidiol 200mg/ml da Prati-Donaduzzi. Contudo, a pasta prevê que o atendimento possa se dar de modo escalonado sugerindo outros dois tipos de possibilidade para distribuição do produto: lenta e escalonada. Segundo o ministério, o público-alvo total no país com perfil clínico para ser beneficiado com o produto através do produto feito à base de canabidiol seria de 1.046 pacientes.

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

Conselheiros criticaram pedido feito pelo Ministério da Sáude de incorporação do produto da Prati-Donaduzzi

Conforme o Sechat informou, se for mantido o clima de dúvida que envolveu a análise inicial realizada na primeira semana de fevereiro, a chance de a incorporação ser aprovada pela comissão é remota. Isso porque a impressão inicial do plenário em relação ao pedido foi, em linhas gerais, bastante negativa. Entre todos representantes que fizeram comentários na reunião, de nenhum se ouviu algo mais conclusivo em sentido positivo à incorporação. “Como seria se a Conitec aprovasse algo com base em premissas de efetividade, eficácia e segurança, não sendo esse produto considerado um medicamento?”, questionou um conselheiro. “Não seria o caso de devolvermos o caso para a Anvisa dizendo que a classificação que eles fizeram não nos permite julgar enquanto medicamento. Tem sentido esse julgamento que estamos fazendo?”

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Os conselheiros da Conitec destacaram que a RDC 327 da Anvisa, que autorizou o Canabidiol 200 mg/ml da Prati-Donaduzzi, é confusa por permitir a produção e a comercialização de um produto que não pode ser considerado medicamento. “Quando estamos falando do efeito terapêutico de algo, é medicamento. A gente pode considerar que ioga, meditação, massagem terapia porque você tem um bem-estar imediato e não precisa de desfecho para avaliar. No entanto, quando estamos falando em melhora de desfecho futuro – no caso convulsão – isso se define como tratamento. Então, por que essa substância liberada pela Anvisa não foi definida como tratamento?”, perguntou um dos integrantes do plenário.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Após Conitec negar Mevatyl, Ministério desistiu de incorporá-lo

Em novembro, o Ministério da Saúde anunciou que o medicamento registrado comercialmente como Mevatyl, composto por THC (tetraidrocanabidinol) 27 mg/ml e CBD (canabidiol) 25 mg/ml, para tratamento de esclerose múltipla (EM), não seria incorporado às redes públicas de saúde. Isso porque, de acordo com a Conitec, as evidências encontradas sobre a efetividade da medicação são baixas para justificar a inclusão no SUS. O Mevatyl seria o segundo medicamento que o governo pretendia receber autorização da Conitec para realizar a distribuição pelo SUS.

Sete produtos aguardam liberação da Anvisa

Esse tipo de licença para operação – autorização sanitária – é inédita até o momento, sendo o produto da Prati-Donaduzzi o único feito no país que tem esse aval, que é válido por cinco anos. A RDC 327 regulamentou a fabricação, a comercialização e a importação de produtos derivados de cannabis para fins medicinais.

Atualmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está avaliando sete pedidos para autorização de produção e comercialização no Brasil de produtos medicinais, produzidos à base de maconha. Se a agência acatar os pedidos, ou parte deles, significará a largada no Brasil para um mercado industrial do uso medicinal da maconha com alguma competitividade. Na prática, quem faz uso de produtos medicinais à base de maconha deverá encontrá-los por preços mais acessíveis.

Confira outras matérias publicadas pelo Sechat sobre a incorporação do primeiro CBD no SUS:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese