Exclusivo: estudo mostra quem são os profissionais da saúde ‘canábicos’ mais influentes do Brasil

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O Sechat divulga com exclusividade o levantamento inédito feito pela Tree Intelligence que mostra quem são os médicos e médicas mais influentes do universo da Cannabis medicinal no Brasil. A lista é liderada por mulheres e profissionais mais jovens.

Com potencial estimado em 4,3 bilhões de reais, o mercado da Cannabis medicinal no Brasil se tornou objeto de interesse de investidores, empresários e, claro, profissionais da saúde.

Para entender melhor as relações entre esses agentes, principalmente os que prescrevem os medicamentos à base da planta, a consultoria, por meio de sua plataforma proprietária LivingReports, mapeou mais de 800 stakeholders e sua presença digital.

Por meio de análise de dados e ciência de redes, foi identificado quem são os atores mais influentes no debate sobre o uso de Cannabis medicinal no Brasil.

No centro da rede destacam-se cerca de 50 nomes, que incluem médicos e médicas, clínicas, universidades e centros de estudo e pesquisa. A lista traz nomes conhecidos do grande público, como Drauzio Varella, Lair Ribeiro e Mohamad Ali Barakat, mas que se relacionam apenas colateralmente ao tema.

No mapeamento, a Tree descobriu que há uma comunidade coesa e altamente conectada quando o assunto é Cannabis medicinal. Com conexões entre si e com outros atores do segmento, como associações de pacientes, ativistas sociais e empresas, são esses médicos que ajudam a ampliar o debate sobre o uso medicinal da erva no Brasil, discutindo abordagens terapêuticas, linhas de pesquisa, indicações clínicas e campos de atuação.

Perfil

Esses profissionais são jovens, com registros recentes nos Conselhos Regionais de Medicina (46,6% a partir de 2001), trabalham principalmente na Região Sudeste e atuam predominantemente nas áreas de Neurologia, Neurocirurgia e Neurociências.

Com maior presença e atividade digital, quando comparados à comunidade médica em geral, as mídias sociais mais utilizadas por eles são o Instagram (46,6%) e o Facebook (46,4%).

Os homens são a maioria (50,8%), mas as mulheres (43%) são mais influentes, isto é, alcançam mais pessoas e possuem maior potencial de repercussão no ambiente digital (6,1% são perfis de pessoas jurídicas).

Nesse grupo de “influenciadoras canábicas”, a Tree identificou, entre outras, as médicas Paula Dall’Stella, Carolina Nocetti, Ana Gabriela Baptista e Ana Gabriela Hounie.

O levantamento

O estudo completo da Tree Intelligence será lançado nesta quinta-feira (23) e poderá ser acessado por meio de um dashboard on-line interativo e atualizado, chamado LivingReport.

O objetivo é fornecer subsídios para a tomada de decisão estratégica para os agentes que desejam se comunicar com esses públicos, tais como indústrias farmacêuticas, empresas importadoras de medicamentos com cannabis, investidores, pesquisadores, clínicas e centros médicos.

Sobre a Tree Intelligence

Fundada em 2009, a Tree Intelligence é uma empresa internacional especializada no mapeamento, monitoramento e gerenciamento de redes de influenciadores em distintos segmentos e países.

Por meio do serviço de subscrição on-line LivingReports, é possível navegar nas redes de influenciadores sobre temas estratégicos e monitorar a evolução das suas narrativas e posicionamentos.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese