Em live Bolsonaro associa aumento de homicídios no Uruguai a legalização da cannabis

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Agência Brasil/ Alan Santos/PR)

Por Redação Sechat

No último dia 21, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (PL), em live através de suas redes sociais, criticou o aumento dos índices de criminalidade no Uruguai, relacionando a elevação das taxas de violência à legalização da cannabis no país sul-americano.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

O chefe do executivo disse: “Temos o caso do Uruguai, que recentemente regulamentou e legalizou a maconha e agora estamos vendo uma explosão no número de homicídios, em grande parte por causa dela.” Veja o vídeo:

Fala à partir dos 8 minutos e 33 segundos (Reprodução/Youtube)

Sem apresentar dados e estatísticas que relacionam a cannabis ao aumento de homicídios no Uruguai, Bolsonaro se refere aos números divulgados pelo Partido Colorado, opositor ao atual governo presidencial local, que aponta um aumento de 35% nas taxas de homicídios, ou 11,2 a cada 100 mil habitantes, em relação ao ano passado. 

No entanto, dados sobre a violência e índices de criminalidade divulgados pelo Ministério do Interior Uruguaio mostram uma realidade um pouco diferente. 

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Números de crimes no Uruguai no primeiro semestre de 2022:

Fonte: Ministério do Interior do Uruguai

De acordo com a tabela, que apresenta as taxas de homicídio, além de furtos, roubos, violência doméstica e furto de gado,  os números oscilam a cada ano, contudo, em nenhum momento fazem relação com a legalização da cannabis no país. 

Para o Ministro do Interior Uruguaio, Luis Alberto Heber, “Metade dos assassinatos está, no entanto, ligada a conflitos entre grupos criminosos, tráfico de drogas e acerto de contas”, negando a existência de uma “situação de violência descontrolada” em seu país.

O Uruguai foi o primeiro país a legalizar a produção e a venda de produtos provenientes da cannabis que, em 2022, completa nove anos desde sua regulamentação, promovida pelo governo do ex-presidente José “Pepe” Mujica. Cabe destacar também, que a comercialização dos produtos derivados da planta só se tornaram efetivos de fato em 2017, devido às burocracias impostas pela lei.  

Quais os índices do Brasil?  

Segundo dados divulgados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Brasil registrou no último ano 47.503 homicídios, equivalente a 130 mortes por dia no país. Tal dado apresenta uma média de 30,3 homicídios para cada 100 mil habitantes, isto é, mais que o dobro dos 11,2 divulgados por Bolsonaro no Uruguai. 

Vale lembrar que o Brasil não possui uma regulamentação para todos os usos da cannabis como o Uruguai e, dada as devidas proporções, os números lá são expressivamente menores que os registrados aqui.

Usos medicinais da cannabis

Atualmente, muitas famílias brasileiras buscam medidas judiciais para poder tratar seus filhos e parentes por meio do CBD, óleo extraído da cannabis que tem alto poder medicinal. 

Segundo estudo realizado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), os canabinoides – compostos encontrados na cannabis – são eficazes no tratamento de doenças neurológicas como Alzheimer, Parkinson, epilepsia, depressão e Transtorno do Espectro Autista (TEA). Além disso, há diversas evidências dos benefícios destes componentes contra dores crônicas, fibromialgia, distúrbios do sono, efeitos antitumorais, enjoos causados pela quimioterapia, Esclerose Múltipla, entre outras.

Por isso, é importante lembrar que a cannabis pode sim ser um problema para uma sociedade, desde que a mesma lide com ela como um problema de segurança pública ao invés de colocá-la como algo que remete a saúde de sua população.

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal  

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese