Esclerose múltipla

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Esclerose Múltipla é uma doença neurológica, crônica e autoimune. Isso significa que as células de defesa do organismo atacam o próprio sistema nervoso central e provocam lesões cerebrais e medulares. A causa específica da doença ainda é desconhecida. Embora suspeita-se que fatores genéticos e, até mesmo, a infecção por um vírus possam desenvolver a doença. Mas, ainda assim, a EM tem sido foco de muitos estudos no mundo todo. O que tem possibilitado constante e significativa evolução na qualidade de vida de pacientes que sofrem com a patologia.

Os pacientes são geralmente jovens, em especial mulheres de 20 a 40 anos. A Esclerose Múltipla não tem cura e pode se manifestar por diversos sintomas. São eles: fadiga intensa, depressão, fraqueza muscular, alteração do equilíbrio e da coordenação motora, dores articulares, disfunção intestinal e da bexiga e alterações visuais. A Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (Abem) estima que existam aproximadamente 40 mil pessoas com EM no Brasil e 2,8 milhões, em todo o mundo.

 

Uso de derivados da Cannabis na Esclerose Múltipla 

Estudos mostram que o uso de derivados da Cannabis sativa, tais como o CBD e o THC, podem ser aliados no tratamento da EM. Tendo em vista os efeitos sobre o sistema nervoso dos pacientes avaliados em diversas pesquisas, a conclusão da maioria foi: houve redução significativa na liberação de proteínas inflamatórias, diminuição da morte celular e maior controle da dor neuropática com o uso contínuo desses componentes. Esses compostos são analisados de forma separada e também de forma conjunta, na fórmula do composto Nabiximols.

O remédio é vendido em alguns países com o nome comercial de Sativex®. Seus efeitos são testados tanto em humanos quanto em animais, apontando uma suposta eficiência no uso dos compostos analisados em ambos os testes. Contudo, alguns efeitos colaterais foram observados e devem ser mais bem estudados. Para que, de fato, seja comprovada a eficácia no uso do CBD e do delta-9-tetrahidrocanabinol no tratamento da sintomatologia da Esclerose múltipla.

 

Revisão dos estudos existentes

Análise também feita pela Abem sugere que, embora o tratamento com canabinoides ainda não seja o de primeira escolha de muitos pacientes, a Anvisa já aprovou no Brasil a comercialização de remédios como o Mevatyl, um medicamento especial à base de compostos canabinoides para o tratamento da espasticidade, um sintoma bastante comum na EM.

Conforme um estudo realizado por uma pesquisadora da Universidade de São Francisco (USF) mostrou, por meio de uma revisão sistemática em diversos artigos científicos publicados em bancos de dados, como SciELO e Google Acadêmico, que ensaios clínicos sustentam o uso dos agentes canabinoides como analgésicos. O que confirma a perspectiva de que o tratamento pode vir a ser utilizado como auxiliar para diminuição da dor, particularmente aquela de origem neuropática, como a esclerose.

Devido aos efeitos paliativos promissores, espera-se que as pesquisas continuem e novos testes clínicos possam contribuir para o reconhecimento da segurança e eficácia dos canabinoides com a finalidade de melhorar as condições de saúde e a qualidade de vida de pacientes que necessitam dessa terapia.

Artigos Relacionados

pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese