Cannabis ou tabaco, qual é mais prejudicial para os pulmões?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Freepik)

Por João R. Negromonte

Não é de hoje que sabemos dos riscos do uso adulto – quando ocorre combustão dos componentes – tanto do tabaco, quanto da cannabis. No entanto, cientistas descobriram que há pequenas diferenças em como cada uma afeta a respiração de uma pessoa. 

O estudo que reuniu pesquisadores de Nova Zelândia, EUA e Canadá, publicado no American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, mostrou que o consumo do tabaco e da cannabis aumenta a hiperinsuflação (aprisionamento de ar nos pulmões), contudo, há evidências de aumento da resistência das grandes vias aéreas e menor fluxo de ar expiratório médio em usuários de cannabis.  

Mas o que isso significa?  

Segundo o coautor do estudo, professor Bob Hancox: “embora os efeitos da cannabis tenham sido prejudiciais, o padrão de alterações da função pulmonar não foi o mesmo. Além disso, o uso prolongado de cannabis levava a pulmões inflados demais e aumentava a resistência ao fluxo de ar em maior medida do que o tabaco”, revela o pesquisador, que também destaca:

“Pensamos que as duas substâncias podem prejudicar a capacidade dos pulmões de extrair oxigênio da respiração. No entanto, esta é uma consequência conhecida de fumar tabaco, mas não foi demonstrada com cannabis até agora.”

Metodologia

A pesquisa foi realizada através da coleta de dados de 1.000 indivíduos adultos que faziam uso regular de cannabis. Nascidos em Dunedin, Nova Zelândia, entre 1972 e 1973, o estudo acompanhou estes pacientes ao longo de suas vidas, observando fatores como sua capacidade pulmonar total, capacidade residual funcional, volume residual e volume alveolar, juntamente com fluxos expiratórios médios mais baixos, condutância das vias aéreas e fator de transferência de ar.

As informações revelaram que mesmo após abandonar o uso frequente de cannabis, a maioria dos participantes do estudo, 88%, não apresentaram alterações na espirometria (teste de função pulmonar). 

Para Hancox, ainda existem poucas pesquisas que revelem os reais efeitos da cannabis no pulmão. Isso ocorre, segundo o pesquisador, porque em diversas partes do mundo a cannabis ainda é uma planta ilegal, o que dificulta o acesso.

“Embora a cannabis seja uma das substâncias mais consumidas do mundo, ainda existem poucos estudos sobre os reais efeitos dela a curto, médio e longo prazo, dificultando assim um diagnóstico preciso.”

“É claro que as pessoas que fumam cannabis e tabaco provavelmente sofrerão danos nos pulmões de ambas as substâncias, mas dado o uso generalizado e crescente de cannabis em todo o mundo e a tendência à descriminalização, entender seus efeitos respiratórios é uma prioridade”, conclui o professor Hancox.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese