Cannabis: o que podemos esperar para 2023?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Por Norberto Fischer

Dois pensamentos se destacam quando se analisa ou se escreve sobre as perspectivas do que poderá acontecer, o primeiro é atribuído ao Confúcio e diz “Se queres prever o futuro, estuda o passado”, e o segundo é do Presidente Americano Abraham Lincoln que disse “A melhor maneira de prever o futuro é criá-lo”.Então, vamos olhar incialmente o passado com alguns fatos ocorridos no Brasil nos últimos 10 anos que envolveram o assunto da planta Cannabis e seu uso medicinal:

CBD e THC reclassificados pela ANVISA, ou seja: duas das substâncias da Planta Cannabis mudaram da lista de proibidos para a lista de controlados;

Conselho Federal de Medicina autoriza a prescrição do CBD, com a publicação de portarias sempre com imediatas reações da sociedade e grande repercussão na mídia;

Receita Federal simplifica o processo de desembaraço aduaneiro desses produtos e amplia o valor máximo de importação individual, esta considerada isenta de impostos;

ANVISA cria marco regulatório para a produção de derivados da Cannabis de forma medicinal e declara não ser o órgão competente para regular o plantio no Brasil;

PL399 que trata da Cannabis Medicinal, avança entre muitas polêmicas e brigas, e depois de tantos debates na Câmara e no Senado, está lá parado, aguardando;

ANVISA autoriza a venda de diversos produtos da Cannabis em farmácias, incluindo um produto com percentual elevado de THC, em contradição com normas internas que não autoriza a importação com valores superiores a 0,3% de THC;

Cidadãos em todo o território nacional com ações na justiça, algumas já ganhas, por autorização para o auto cultivo da Cannabis, cultivo em associações, fornecimento do produto custeado pelo Estado e até pelo plano de saúde;

Universidades e instituições privadas oferecendo cursos de pós-graduação sobre a planta, cursos ministrados por ONGs para o auto cultivo, além de outros cursos e eventos voltados à comunidade médica sobre a planta e opções de tratamento;

Uso odontológico e veterinário da Cannabis ganha força entre os profissionais, avança e conquista espaço de destaque nas mídias;

Leis municipais e Estaduais aprovadas disponibilizando produtos gratuitamente, pelas farmácias de alto custo ou pelo SUS, além de leis que autorizam pesquisas com a planta; e

O uso medicinal saiu da bolha inicial de tratamento para Epilepsia e ganhou espaço em diversas outras aplicabilidades, tais como Parkinson e Alzheimer.

Esses itens são fatos, mas entre os avanços e as conquistas, sem nenhuma dúvida, o de relevância foi a conscientização da sociedade e de políticos em relação a planta, pois foi um período em que muitos preconceitos caíram por terra e a maturidade do debate cresceu, mesmo em segmentos da sociedade em que esse assunto praticamente não tinha espaço.

Por outro lado, o cenário brasileiro aponta que ainda existe um abismo enorme que precisa ser superado.

E para 2023, quais são as expectativas, o que se espera?

Se o Brasil conseguirá novos avanços significativos em 2023 ainda é uma incógnita e depende de muitos fatores, principalmente político.

No entanto, olhando para a quantidade de conquistas nos últimos 10 anos e percebendo que o ritmo de acontecimentos positivos é crescente, podemos esperar que o ano de 2023 se torne especialmente positivo.

Ampliando um pouco o tema cannabis medicinal e olhando mais amplamente a utilização de substâncias psicotrópicas, é evidente que a legislação brasileira busca prioritariamente coibir o consumo e a circulação de entorpecentes, que conflita os direitos das pessoas que necessitam da utilização desses produtos de forma medicinal.

A pressão da sociedade para avançar no uso da Cannabis provocou a necessidade de incorporar às leis e regulamentações temas antes não considerados, como o consumo para fins médicos, plantio em território nacional, ampliação das pesquisas, entre outros.

Por um lado, a sociedade está clamando por mais liberdade, quando se entra nesse mundo das drogas e de produtos proscritos, por outro existe a cultura de controle instalada no Estado Brasileiro com focadas na exceção e no paradigma da criminalidade, ou seja, ampliação do controle do Estado sobre o cidadão e a criminalização de atos que deveriam ser livres por direito fundamental.

Enquanto os gestores públicos estiverem atuando sob esse paradigma, todo e qualquer avanço será bem-vindo, mas sempre deixará um sentimento de frustração e burocracia associados em cada nova conquista.

Sim, o passado demonstra que estamos avançando, que a velocidade das conquistas tem crescido ao longo dos anos, mas nosso desejo é mais celeridade para chegarmos logo a uma situação que possamos classificar de justa e perfeita.

Por enquanto, para 2023 o passado e os indicadores apontam que:

  • A sociedade conhecerá ainda mais a planta e suas potencialidades;
  • O assunto ganhará mais força e presença nas rodas de debates e estudos dos médicos;
  • As pesquisas serão ampliadas, incluindo parcerias público/privada e universidades/empresas.

Além disso, mais pessoas na sociedade passarão a entender o seu direito de escolher como se tratar e que todas as opções de acesso à Cannabis deverão estar disponíveis ao cidadão:

  • Importação;
  • Plantio e produção nacionais;
  • Auto cultivo; e
  • Fabricação em laboratório.

E, claro, teremos avanços iniciais nas áreas industriais e de alimentos.

As perspectivas são positivas e os avanços serão resultados da nossa atuação, da cobrança e pressão sobre os políticos e demais gestores públicos.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese