Bruxismo, estresse e cannabis: Qual a associação?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Imagem: Arquivo/Sechat)

Por Cynthia de Carlo

Hoje começo a coluna fazendo algumas perguntas. Você, caro leitor, tem o hábito de apertar seus dentes? Costuma mordiscar objetos, projetar sua mandíbula para frente e para o lado? Pressionar a bochecha e morder os lábios? Range os dentes?

Ronca? Tem limitação de abertura de boca? Acorda cansado, com dor facial, rosto inchado? Tem dor de cabeça?

Se por acaso, você respondeu sim a algumas das perguntas acima, parabéns, você muito provavelmente é um paciente BRUXOMALO ou seja, você tem BRUXISMO!

Talvez até você já saiba desse diagnóstico, e foi ou está sendo tratado com ajustes oclusais, placas de mordidas ou até aplicações de botox. O que você talvez não saiba, é que está sendo tratado somente os seus sintomas, mas não as causas.

O  bruxismo, é um tema de grande interesse para especialistas em diversas áreas da saúde, e, portanto, continua sendo estudado. 

Comprovadamente, trata-se de um  dos estresses mais importantes no sistema mastigatório. Fatores psicossociais e comportamentais, como tipo de personalidade, estão intimamente envolvidos nessa patologia.

O bruxismo também passou a ser considerado uma manifestação de disfunção temporomandibular (DTM), um distúrbio do sono, um distúrbio comportamental, associado com estresse ou mesmo um distúrbio de movimento.

As consequências envolvem desgaste dentário, fraturas, hipertrofia muscular, fadiga geral, cansaço extremo e nervosismo acentuado.

Ao ser considerado como uma válvula de escape psíquico, o paciente com bruxismo deve tomar algumas providências e medidas para ajustar suas atitudes em relação ao estresse e à ansiedade, para controlá-lo. 

Há registros de um estudo com alunos cursando a Faculdade de Odontologia da Universidade de Medicina e Farmácia de Craiova associando esse mal, com estresse e ansiedade, especialmente para bruxismo em vigília (quando estamos acordados).

Esses alunos apresentaram sinais de desgastes dentários causados pelo “ranger”, sensibilidade dentária, e ainda sinais de disfunção temporomandibular, com dor nos músculos mastigatórios ou nos músculos do pescoço. Toda essa manifestação foi  verificada, devido ao aumento dos níveis de estresse nos alunos cursando a faculdade.

Bem, e a cannabis com isso? Graças às propriedades da cannabis medicinal, temos um dos mais potentes e promissores tratamentos dessa patologia.

(Imagem: Cookie Studio/Freepik/Sechat)

A planta  apresenta mais de 500 compostos químicos que pertencem a diferentes grupos, como canabinoides, flavonóides, terpenos e aminoácidos.  Os canabinoides majoritários na planta: CBD e THC atuam como potentes antiinflamatórios, analgésicos, miorrelaxantes e ainda apresentam propriedades antinociceptivas na redução da espasticidade e espasmos dolorosos. Porém, é devido a ação em conjunto dos fitocanabinóides, terpenos e flavonóides aminoácidos da planta que obtemos um melhor resultado, devido ao efeito “entourage” ou comitiva.

A cannabis medicinal apresenta comprovada eficácia no tratamento do bruxismo pois, com ela, nós profissionais da saúde tratamos além dos sintomas, tratamos as causas da doença.

Portanto, caro leitor, não se preocupe caso tenha se identificado com o quadro acima, pois graças aos avanços e aos estudos incessantes da cannabis, dia a dia descobrem-se mais componentes e propriedades dessa planta maravilhosa, trazendo segurança para que surjam novos  profissionais capacitados e habilitados nessa nova alternativa terapêutica.

Referências:

Article Myorelaxant Effect of Transdermal Cannabidiol Application in Patients with TMD: A Randomized, Double-Blind Trial (Por: Aleksandra Nitecka-Buchta, Anna Nowak-Wachol, Kacper Wachol, Karolina Walczy ´nska-Dragon, Paweł Olczyk, Olgierd Batoryna, Wojciech Kempa and Stefan Baron)

Article Associations between Bruxism, Stress, and Manifestations of Temporomandibular Disorder in Young Students ( Por: Diana Vlădutu, Sanda Mihaela Popescu, Răzvan Mercut, Mihaela Ionescu, Monica Scrieciu, Adina Dorina Glodeanu, Andreea Stănusi, Ana Maria Rîcă and Veronica Mercut). 

As opiniões veiculadas nesse artigo são pessoais e de responsabilidade de seus autores.

Sobre a autora:

Cynthia De Carlo é cirurgiã-dentista, formada há 31 anos pela UNITAU, pós-graduada em Periodontia, Implante e Pediatria. É dentista do CECMedic (Centro de Excelência Canabinoide) e membro da SBEC (Sociedade Brasileira de Estudos da Cannabis).

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese