A cannabis pode tratar ou prevenir o diabetes tipo II

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Imagem: Pexels/Ataliya Vaitkevich)

Redação Sechat

Ao contrário do diabetes tipo 1, em que o corpo não produz insulina suficiente, o diabetes tipo 2 é frequentemente associado a níveis elevados de glicose no sangue (hiperglicemia) e é de longe o tipo mais comum de diabetes, com 90% dos casos diagnosticados como tipo 2. Canabinóides particulares na planta de cannabis podem reduzir a inflamação e diminuir a resistência à insulina e à leptina.

Pesquisas indicam que o uso de maconha pode levar a melhores resultados para pessoas com diabetes. A cannabis medicinal pode beneficiar pacientes diabéticos de várias maneiras, começando com a redução da dor neuropática (nervosa), sintoma preocupante e comum do diabetes.

O Brasil é o 5º país em incidência de diabetes no mundo, com 16,8 milhões de doentes adultos (20 a 79 anos), perdendo apenas para China, Índia, Estados Unidos e Paquistão. A estimativa da incidência da doença em 2030 chegará a 21,5 milhões.

Em 2016, o diabetes matou 1,6 milhão de pessoas em todo o mundo e outras 2,2 milhões de mortes em 2012, foram atribuídas à hiperglicemia. Infelizmente, a taxa de mortalidade por diabetes está ascensão, com um aumento de 14% entre 2019 e 2020.

Os canabinóides CBD, CBDA, THC, THCV e THCA, podem beneficiar a dor neuropática. O CBD também ajuda a formar uma camada protetora ao redor dos nervos, prevenindo a inflamação e a resistência à insulina.

A perda parcial ou total da visão devido à retinopatia diabética é outra complicação do diabetes. O CBD, em particular, demonstrou se conectar aos receptores canabinóides no cérebro e reduzir o risco de desenvolver retinopatia.

A cannabis pode servir como uma opção de tratamento adicional para algumas pessoas com diabetes. No entanto, a cannabis não deve ser a principal escolha e só pode beneficiar indiretamente as pessoas com diabetes. Algumas pessoas com diabetes (especialmente aquelas que tomam medicamentos prescritos ou têm doenças cardíacas) podem se beneficiar mais de outras opções de tratamento.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese